Evento discutiu e propôs medidas para a melhora na prestação de serviços públicos em saúde

Em razão das repetidas situações de crise que atinge a Terapia Renal Substitutiva, o CONASS, juntamente com o CONASEMS e o Ministério da Saúde tem feito um esforço de reunir todos os estados da federação para fazer um diagnóstico atualizado das redes de serviços, da prestação de serviços, dos custos e, sobretudo do excedente do teto financeiro, de modo a abrir uma negociação com o Ministério da Saúde para equacionar os problemas que se apresentam. Estiveram representando o Ceará, o presidente do COSEMS/CE, Josete Tavares; a vice-presidente da entidade, Sayonara Cidade; além da secretária executiva da SESA, Lilian Beltrão.


Em relação ao estado do Ceará, foi apresentado um relatório demonstrando o excesso no teto da ordem de 7 milhões no ano de 2017 e o valor apurado do excedente de produção até o mês de junho de 2018. Outra questão levantada pelo Estado, foi discutir com o MS a ampliação dos turnos para as clínicas do interior (que hoje só atuam em dois turnos diurnos). Além dos turnos citados, a ideia seria fazer com que essas clínicas atendam no período noturno, de modo a melhorar o acesso dos pacientes que extrapolam a capacidade de atendimento, mas também, atendendo um ajuste adequado do teto financeiro para cobrir as despesas que possam ser geradas.


Existe uma necessidade de ampliação de novos serviços, havendo até aqui, três processos em curso para habilitação de serviços, sendo um em Fortaleza, outro em Sobral (cuja tramitação corre há mais de dois anos no MS), e o terceiro em Tianguá. Ao final será gerado um documento síntese para discussão tripartite. “Ao ouvir do MS que o financiamento da TRS deve ser tripartite, enquanto representação do COSEMS, pautamos que os municípios bancam o transporte sanitário diário dos pacientes para o deslocamento do município ao serviço de TRS, assim como, o suporte de assistência de saúde e de assistência social, como intercorrências clínicas, suporte de insumos, não rara suplementação alimentar, dentre outras necessidades. Pontuamos ainda o co-financiamento da Rede de Policlínicas Regionais que atendem de 1,5 a 2 milhões de procedimentos e há cinco anos se espera a parte do Ministério da Saúde para honrar o critério tripartite alegado pela representação do MS. Na oportunidade cobramos a participação do MS no co-financiamento desta importante Rede de Serviços que a muito custo se tornou realidade e transforma a vida de muitos cearenses", explica Josete Tavares, presidente do COSEMS/CE.

 

*Com informações do presidente do COSEMS/CE, Josete Tavares.

--

Assessoria de Comunicação do COSEMS/CE
Amanda Macêdo / Fernando Cruz / Karlla Gadelha / Mário Cabral
Telefone: (85) 3101.5444
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.